Poema : Poetisa Marli F Freitas “A Flor de Minas”

“NADA É POR ACASO

Tenho o hábito de fazer as coisas quando meu coração quer
e, quando ele quer, uma curiosidade atrevida invade meu ser.
Um dia quis conhecer, nada mais nada menos, que Dostoiévski.
Escolhi “Crime e Castigo” e cheguei a ver o destino em minhas mãos!

Passei a questionar, com maestria, os dramas existenciais
propostos por uma mente brilhante, onde a falta de sentido
pode gerar conflitos internos naqueles que veem
no outro a insignificância que trazem dentro de si.

O grande romancista não oferece respostas prontas.
Quer que busquemos em nós o que precisamos compreender
e, no viés das descobertas, podemos entender
que o que mais precisamos é de praticar a fé e acreditar no amor.

Mas como todo paradoxo, é preciso estar aberto às possibilidades
e compreender que a lei do retorno não isenta o poder da culpa.
O fim deixou um grande pesar, pois, queria mais daquela luz que clareava
a minha mente e alguém no café para falar sobre o crime e o castigo.

Busquei nas ruas e vielas da minha vida, mas, foi do outro lado do caminho,
que encontrei alguém fascinado diante da mesma trama.
Algumas poucas palavras e meu coração vibrou, então sorri e a mágica
aconteceu, não pelas vias duvidosas de Dostoiévski, mas pelo amor aos livros.”

Marli F Freitas / Poema em fase de publicação na Antologia “DOSTOIÉVSKI” Chancela da FEBACLA.

Publicidade

Um comentário sobre “Poema : Poetisa Marli F Freitas “A Flor de Minas”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s