Crônica : Professor Zé Carlos

O TIO BOBO
(O DADOR DE CONSELHOS)

Ontem, estive muito saudoso do amado tio Bobo que “inté” me peguei conversando com ele, durante um “trespasso”, pós o almoço. Penso até que minha casa me achou “vário”, no mínimo. “Falano só”. Uma prática, sadia e comum, de todo bom baixadeiro. Não é mesmo?!
Mas, o que interessa é que lembrei um encontro, em que o tio Bobo se apresentou tal um conselheiro amoroso. E, “porreta”. Disse-me que, em vários casos, atuou como um sério confidente. Confidente, sim, “dos cumpadinhos e, até, das cumadinhas”. “Coisas de arrupiá os cabelo”, e “outras coisinhas mais”.
Aí, fiquei curioso. Mas, como ele era um homem honrado e um ferrenho guardador de segredos, “nadica de nada lhe escapou”. Fez-se um sisudo túmulo.”Um boca dura”, como dizia minha mãe. De verdade, não “soltou a língua, de jeito nenhum”. “Me deixô, sim, foi chupano os dedo”, ou melhor, sem unhas. Roí todas. E, nada soube das “cumade”. “Neim us limpo, neim us pôdi”.
Abriu uma exceção, porém. Falou do vizinho, porque era nosso parceiro no dominó. E,
em tom de confidência, disse que “o dito cujo” vivia era, ali, “aperriano a pacença aleia”. “Quexoso, qui só, da fulga da muié dêli cu’u padero”. “Er’um churume só. Si cunsumino irgá bezerro dismamado”.
O certo é que o tio Bobo se mostrou um autêntico “dador de conselhos”. Acreditem só. Pediu ao “infiliz” que fosse, e logo, procurar um amor novo, e verdadeiro. Disse mais. As pessoas, que sumiam, “davo um alívio”, uma melhor vida, ao abandonado. E, assim, “ia seguino com o seu rosário de recomendações”, ou, como ele mesmo dizia, com ” o seu rosário de bondades”.
“Como o diabo é moleque”, não me contive. “Dei uma de de doido e caí na asneira” de lhe tecer alguns elogios. E “foi a gota d’água, para ele perder a paciência”
Dirigiu-se a mim com firmeza e “soltou a ladainha”:

  • Tu quê sê ingeno. Veim, aí, sêmpri cum tuas tolice. Não vê, meu fio, qui êssi coitado dêvi dexá di sê besta e largá di saí contano coisa pra tôdu mundo. É só pra nóis que si dêvi derramá nossas lágrima. Argumas pessoa num merece neim dêvi di vê nosso sofrê. Ais nossas coisa importante dêvi sê só nossa. Filho d’égua argum dêvi sabê. Tom’um conselho. Si tu quê guardá u segredo teu, não pensa neim alto qui tua boca pôdi ti traí. Tendeu?! E vamo bebê, né, qui queim gosta de lero, lero é Valero! I vê si aprêndi i vai criá juízo!
    Que cara “mofético”, é esse tio Bobo!
  • Zé Carlos Gonçalves

Poema : Poetisa Rita Soares “A Caprichosa”

R.J.Brasil🇧🇷

Amor é a purificação das almas perdidas.
O testar do benquerer abrindo caminhos para os corações decepcionados.
O remediar universal de fazer o necessário e perfeito a bela abertura para sermos felizes.
É olhar uma flor no campo se manifestando aroma de jasmim abrangendo todas relações humanas.
Amor é…
O anseio de querer cuidar.
É vida,
Acolhimento,
Aceitação e perdão.

02/02/2023
Rita Soares

Poema : Poetisa Michele Mi “A Maravilhosa”

Sem coração

Insensível, apático
Expressões de um ser cruel
Atitudes impetuosas de um lunático
Escorrem na alma seu fel

Gosto amargo da vida
Colheita certa do passado
Círculo vicioso do dia a dia
Sábio interno apagado

Mãos habilidosas apontam o dedo
Sem ao menos alguns segundos de reflexão
Assim segue o triste enredo
Mais um ser sem coração

Até que a vida tentou pulsar
Aquecendo o clima de inverno
Simplicidade deu as mãos e buscou lhe tocar
Mas a soberba reina a coompletude do universo

Intenções do próprio ego
Friamente calculados
Enlaçam os pés com nó cego
Peito vazio aprisionado

Ampulheta corre depressa
Enrugando e apagando a visão
Cores fúnebres permeiam tela
Arte sem reversão

Refletir-se no próprio espelho
Para encontrar a porta de saída
Seria um bom ensejo
Primeiro passo, ponto de partida

Estado sombrio de solidão
Adoeceu órgão principal
Consciência coração
Esnobou o que era vital

Por Michele Mi❤️