Poema : Poetisa Adele Pereira “A Pérola da Poesia”

Ilusão

Cheguei no meu aconchego
Não na casa dos meus sonhos
Mas na qual sonho contigo
Com o poeta amigo, amante
Meu menino, cavalheiro errante
Entrei sem ruido, silenciosamente…

Na penumbra, meia-luz
Direciono – me ao quarto
Abro a porta e o que vejo
A minha espera a sorrir
Real, irreal, ilusão ou virtual
Produto da imaginação

Vou como uma felina
Feroz, sedenta, faminta
Para presa mas…. desfaleço
Submissa entrego – me
Com pudor, sem temor
Sem forças, rendo – me

Pedistes a chave do meu corpo
O mapa da minha pele
Os segredos da minha alma
Entrego a chave, o mapa
Descubra minha índole
Toma posse, percorre
Pelos montes, o lago,
Planície, chega a cratera
Sonda, explora com as mãos
Taramela, suga, perscruta
Explora, analisa, abusa
Prevaleça -se do meu frenesi

Meu rei, usa teu cetro
Escava, encontra teus mimos
Lavas quentes, aromatizadas
Junta ao seu néctar saboroso
O êxtase de uma descoberta
A felicidade eterna, arrebatamento

Quem es tu ? És tudo
Não és nada, pois não o tenho
Quimera, quisera fetiche
Casual, virtual,imaginativo
Para mim não! Já estás em mim
Cravado na pele, no sangue
Nas folhas as quais escrevo
Na mente por todo o sempre.

ADELE PEREIRA

Poema : Poetisa Mary Sol Sousa

O livro

O livro é uma viagem
Em um mundo desconhecido,
Onde a emoção e a aprendizagem
Se conectam para despertar o adormecido:

Que existe em nós! Nas histórias! Nas informações!
A cada página podemos descobrir sensações,
Que nos transformam em novos seres,
Que resgatam reflexivos dizeres.

O livro abre as portas dos conhecimentos,
Desvenda os mistérios da alma e da mente,
Mostra que a Terra e os seus elementos
São as maiores fontes de inspiração de toda a nossa gente.

Mary Sol Sousa
Planaltina – Goiás
18 /04/2021.

Poema ; Poetisa Antonia Nery Vanti

…bem assim…

…E as horas passam.. os dias se vão
E você aí … fazendo o quê?
Olhando para o nada,
Nariz empinado…
Pensando bobagens…
Querendo vantagens…
Sem ver seu irmão jogado no chão?
Ou aquele outro, implorando
por um naco de pão?
Levas uma boa vida,
Tens tudo, nada te falta…
Porque só pensas em ti…
Sempre querendo mais,
Achando-se o merecedor?
Olha para os lados, Mané…
Deixa teu egoísmo pegar no sono
E abre a mão…
Ajuda teu irmão,
Ajuda o vizinho do lado,
O da frente… ou aquele
do outro lado da rua…
A faxineira sofrida,
Que batalha no dia a dia,
Pois só assim consegue levar
Para casa o pão,
O arroz e o feijão…
Então? Como vai ser?
Vais colocar a mão na consciência
E pensar em mudar?
Pelamor de Deus… Ainda não entendeu?
A carapuça não entrou em sua
Cabecinha que vive no ar,
Vagando no nada,
Sem no outro pensar?
Vai… Presta atenção…

Ah… cansei…
Assim não vai dar!!!

Antonia Nery Vanti (Vyrena)
Direitos autorais reservados

Poema : Poetisa Carmen Haddad

Alma de poeta

Escrevo muitas vezes em meio à grande turbulência.
Acredito que nessas horas a inquietação do espírito faz brotar palavras em textos, poesias…
No calor emergente das tribulações, meu coração anseia por quietude.
Razão esta que faz meu espírito poético se pronunciar.
São tantas e tantas vezes que ocorrem.
Daí a nascer sentimentos expressos em textos, poesias, poemas, prosas, enfim;
acalentando minha alma.
Inspirada por luzes a brilhar no infinito,
sinto a paz tão desejada!

Carmen Haddad
Rio de Janeiro

Poema : Poetisa Adele Pereira “A Pérola da Poesia”

Sonhos de Crianças

Gira o mundo, não sou Edmundo
Mas jogo bola,não dou bola
Não faço cola, vou a escola
Prosseguindo meus sonhos além

Maria menina bonita, faceira
Tem sonhos também
De ser professora
Escrever livros
Viajar pelo mundo
Fazer intercâmbio educacional

Pois José e Maria
São crianças de agora
Não tem hora
Tudo é momento
Hiper ativas, sabidas
Brincam também
Criança é criança
Com mente brilhante.

Adele Pereira